Site da rede
Artistasgauchos.com.br
artistasgauchos.com.br

Carcará, que bicho que dá!

Espetáculo de Narração de Histórias (INFANTIL)
Roteiro e Direção: Celso Sisto
Contador: Celso Sisto
Tempo de duração: em torno de 50 minutos

CARACARÁ, QUE BICHO QUE DÁ! é um espetáculo de contação de histórias infantis, em que as histórias giram todas em torno do mesmo tema: bichos. Destina-se a crianças a partir de 7 anos, e tem uma dinâmica que busca a participação do público, de diversas formas. Ora verbalmente, ora corporalmente, e até como auxiliar na contação da história. É um trabalho para o público ver, ouvir e participar. Não é puramente uma reunião de histórias, mas há um roteiro, com interações entre uma história e outra e com situações que fazem desencadear as histórias narradas.


PROGRAMA DO ESPETÁCULO

1. JOÃO JILÓ (conto popular), adap. de José Mauro Brant (In: Contos, cantos e acalantos, cd do selo Pianíssimo. Produção de Tim Rescala).

2. MACACO DO RABO COMPRIDO (conto popular), baseado nas adaptações de Silvio Romero (Contos populares do Brasil ) e Ruth Rocha (Que eu vou para Angola)

3. O CORDEIRINHO, (conto popular indiano), adap. de Joseph Jacobs (In: Contos de fadas indianos. Trad. Vilma Maria da Silva. São Paulo, Landy, 2001. p. 29-32).

Observação: História narrada com a utilização de palquinho para teatro de sombras, manipulado por participantes escolhidos do público.

4. FRUTA SEM NOME (conto popular), baseado nas adaptações de Chico do Bonecos (Carretel) e Clarice Lispector (12 lendas brasileiras, Nova Fronteira).

Observação: Enquanto o contador narra a história, crianças escolhidas do público encenam as ações da história, com a utilização de figurino e máscaras.

5. O BURACO DO TATU, (poema), de Sérgio Caparelli (In: Boi da cara preta. Porto Alegre, L&PM, 1983. p. 11-12

O espetáculo termina com a saída do público, em cortejo, com o contador à frente, carregando um estandarte, seguido, pelas crianças que tocarão alguns instrumentos distribuídos pelo contador. Enquanto caminham, encenam e repetem, em coro o poema O BURACO DO TATU.


CONDIÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DO ESPETÁCULO

PÚBLICO ALVO

O espetáculo destina-se ao público infantil: crianças a partir da 1ª série, ou no mínimo com 7 anos.

NÚMERO DE PESSOAS POR ESPETÁCULO

É importante que o público de cada uma das sessões do espetáculo CARACARÁ, QUE BICHO QUE DÁ!O não seja muito numeroso. Talvez em torno de 80 a 100 pessoas. Públicos muito numerosos destroem, de certa forma, o clima de intimidade, e principalmente, se estiverem sentados em lugares desconfortáveis, como chão, esteiras, tatames, etc.

ESPAÇO

O espetáculo, a princípio, necessita de um espaço em que seja possível fazer black out, ou seja, sala em que seja possível a escuridão total. Também é recomendável que o espaço seja aconchegante, com uma boa acústica, sem nenhum tipo de interferência sonora externa. É impossível a apresentação do espetáculo em quadras esportivas ou ginásios de esportes.

O espetáculo também não pode ser apresentado em espaços ao ar livre ou qualquer espaço aberto. É preferível locais pequenos, sem obrigatoriedade de palco, em que o contador possa manter uma certa proximidade física com o público. Não é possível a apresentação do espetáculo em espaços amplos porque a utilização de microfone para narrar as histórias comprometeria a qualidade do espetáculo.

FIGURINO E OBJETOS DE CENA

O espetáculo CARACARÁ, QUE BICHO QUE DÁ! não possui cenário, mas utiliza-se de figurino e alguns objetos de cena, não muito pequenos: guarda-sol enfeitado, estandarte grande, palquinho para teatro de sombras, etc., necessários para uma “ambientação” cênica.

ILUMINAÇÃO

O espetáculo não exige nenhum tipo de iluminação especial, a não ser a necessidade de “escuridão” para momentos de black out. Aproveitamos para lembrar que é importante que o contador de histórias veja a platéia durante a sua apresentação. O retorno na expressão do público é peça fundamental de um espetáculo de narração de histórias.

SOM

Durante o espetáculo há utilização de música gravada e efeitos sonoros. Se for possível, será utilizada trilha sonora, antes do espetáculo, para criar um clima.

NÚMERO DE APRESENTAÇÕES POR DIA

É recomendável que em cada cidade seja apresentado não mais que 2 espetáculos por dia. Obrigatoriamente em turnos diferentes.